Tá sem grana pra viajar?

Padrão

mochileiroSabe aquela vontade de por o pé na estrada e sair sem rumo? Ou com rumo mesmo. Ir dar um rolê pela Europa, ver com os próprios olhos o que a África tem de bom (cuidado com os leões, ok! nada de fazer safári com a janela aberta, vai que o gatinho pula, né?). Conhecer a América Latina, sabe aquela que a gente não aprendeu na escola, afinal, nas aulas de história a gente basicamente só via o que acontecia do lado de lá da linha do equador. Curtir aquele marsão de meu Deus do céu do Caribe (fala sério, aquilo só pode ser o paraíso). Dar um abraço nos Moais da Ilha de Páscoa….

Massss, ai vc olha nos bolsos daquela jaqueta surrada…fuça nas gavetas e você só acha uns 2 reais e cinquenta no bolso….

Difícil né.. é a vida pra uns não é tão abastada como a de outros… quer dizer.. depende da perspectiva…se é que vc me entende. Pensando nisso (na falta do dindin na carteira e na vontade de viajar), vi que tem muita gente na estrada, curtindo mesmo sem grana. Mas como??? Magia? Feitiçaria? Simpatia? Nada. Só tesão de estar no caminho. E isso já é suficiente pra arranjar o que precisa.

Nessa realidade paralela a galera se inspira e cria. O que quero dizer é que dá pra viajar sim sem grana (e talvez até ganhar um dinheirinho legal). Porém, precisa ter perseverança e curtir uma aventura. Pra se locomover, tem gente que prefere a carona, aquela com o dedão pra cima na beira da estrada e até mesmo a bike. Tem ainda os que encaram a vida a bordo de navios de cruzeiro para além de fazer uma grana ainda de quebra conhecer o mundão véio sem porteira (tipo eu aqui), ahhh tem as caronas em veleiros também. Se hospedam em casa de amigos, de galera que sede um sofá pra viajantes, hostels e até aquela barraca maneira caso não ache lugar pra esticar os ossinhos (vale bater palma no portão de uma boa alma pra pedir um espacinho no quintal pra passar a noite). Tem hostel que aceita que você se hospede em troca de trabalho (nada de escravidão, calma!), isso também é um ótimo jeito de conhecer muita gente e aprender muitas coisas legais.

Ai depois de ver toda essa realidade paralela, posso dizer sim meu amigx, o mais importante pra viajar não é ter grana no bolso e sim ter ousadia pra enfrentar alguns medos (o mundo é bem menos hostil do que parece) e vontade real de cair na estrada e abrir o coração para o novo. O resto? O resto vem!

Anúncios

Kiviagem e seu livro sobre a volta ao mundo

Padrão

Venho acompanhando pelo facebook a jornada muito interessante de uma guria que deu a volta ao mundo, a Kivia Costa pedindo carona e gastando bem pouco e vivendo muito longe, bem longe daquela vida estranha de trabalhar para ganhar grana e ganhar grana pra trabalhar..que me parece um paradoxo totalmente sem sentido. E essa volta ao mundo da Kivia, como não poderia deixar de ser (graças ao bom God), acabou rendendo um livro cheio de histórias pra lá de boas. Eu particularmente quero muito esse livro, porque não tem nada mais inspirador, não só pra quem viaja, mas pro nosso dia a dia mesmo, exemplos de pessoas que desejaram ousar em suas determinadas áreas, e quando a gente ousa, a gente vai além.

Pra adquirir o livro é só participar do Catarse do Projeto Kiviagem (clique aqui) e comprar e colaborar… com a meta atingida, o livro sai (tomara!). Bom falta pouco para acabar o prazo para atingir a meta e o livro sair. Mas, fica a dica, pra quem  curte histórias de gente que ousa fazer um algo a mais 😉

ki

Pequeno Vocabulário Prático de um Sofá

Padrão

Sentar. Visita. Dormir. Almoço. Filme. Reunião. Briga. Sexo. Cerveja. Gato afiando as unhas. Sexo. De couro. De pano. De veludo. De velho. Sexo. Namoro. De ladinho. Fofocas. Fotos. Férias. Feriadão. Hospede. De quatro. Jantar. Pó. Sexo. Gato de toalha. Sexo. Caipirinha. Festa. Solidão. Viagens. Natal. Faculdade. Casamento. Brigas. Bolero velho. Anestesia. Revolta. Sexo. Cachorro quente. Amor. Ilusão. Desilusão. Compaixão. Ronco. Mudança. Lágrimas. Sexo. Almofada. Desânimo. Aniversário. Paixão. Tesão. Ressaca. Depressão. Prato. Copo. Celular. Vícios. Choro. Certezas. Erros. Dívida. Afago. Conexão. Solidão.

Aquela não era mulher de verdade

Padrão

Amélia é uma mulher de meia idade. Muita bonita. Uma polaca do interior do Paraná. A conheci no aeroporto, indo para Veneza. Descobrimos que estávamos indo para o mesmo destino. Ela era engraçada. A mil por hora. Difícil acompanhar. Ela era divorciada a pouco tempo, mas separada do marido já há alguns anos, ai finalmente ele resolveu admitir que o casamento não era mais possível.

Sabe daquelas meninas que crescem no interior? Assim era Joana. Casou, teve três filhos. Acredita que ela já tem um netinho? Ela e o marido tinham uma padaria lá no interior, aquele tipo de mulher que lava, passa, cozinha, leva as crianças no colégio, daquele jeito que tem ser. Ah Rosana, como você era a nora dos sonhos de qualquer sogra…

Enquanto trabalhava na padaria, sempre com o seu marido no caixa, Rita ia preparando a massa para fazer os sonhos da tarde. Era sonho de nata, era sonho de creme, de goiabada também tinha, de doce de leite e chocolate. Todo dia às cinco da tarde a Regina colocava os sonhos na prateleira, todos se saboreavam.

Sim, chegou o dia, o dia que os sonhos de Cássia desandaram. Ela tentou, isso é certo. Cristina sempre foi mulher muito dedicada, mas não tinha jeito de fazer a massa do sonho endireitar. Foi ai que Marina resolveu se separar.

Rafa não só se separou, mas decidiu parar de fazer sonhos para os outros. Nem de nata, nem de creme, nem de doce de leite, nem de nada. Sempre com aquela força de moça criada no interior. Mas ela ainda não estava contente. Ela queria mais. O que? A Cris ainda não sabia.

Um dia a Laura andando pelas ruas, passeando um pouco e pensando na vida, veio uma placa em sua direção: Trabalhe viajando o mundo. Ahh aquilo parecia ser recado certo. Julia não teve dúvidas, nem pensou duas vezes, ligou, se cadastrou e pronto, já estava do outro lado do oceano. Os filhos entenderam, meio mais ou menos. O caçula, de nove anos deu mais trabalho, mas o mais velho de 16 ajudou a explicar “mãe tá indo se encontrar”, “ué, mas ela tá aqui ó”, “sim, mas é diferente, mas não se preocupe, ela vai se encontrar, mas ela sabe bem onde você está”. E lá foi Suzane.

Ainda hoje não sei se ela se encontrou. É certo que desde aquele dia no aeroporto nunca mais deixei de pensar nessa polaca do sul. Sei que ela foi e voltou algumas vezes por ai. Resolveu um tempo atrás que tava precisando dar um trato no corpinho, sim, bem desse jeito ela falou. Acredite ou não, aquela maluca viajou para a Colômbia, pôs silicone no peito, puxou os pés de galinha, deu um tchan na lataria. É verdade que ela ficou linda, não que ela já não fosse. Na verdade aquela mulher parecia uma lâmpada de tão brilhante que estava ficando.

Carina também se deu conta que podia conhecer novos rapazes. Que não precisa se casar com todos eles. E descobriu que podia fazer muito mais com seu corpo além de plásticas. Essa Ana…ahh mulher danada. Dava muita risada com ela, com o tempo ela se tornou, como poderia dizer…Mulher Alfa Dominante. Não tinha como competir com essa mulher. A verdade é que acho que ela deveria dar palestras.

Esses dias fui lá na padaria. Encontrei com o marido dela, quer dizer, o ex marido. Rodolfo ainda não se conformava. Me reclamou que não parava uma funcionária na panificação desde que ela tinha ido embora. Fiquei com dó, não quis falar para ele que a Isa tinha se mudado para Nova York.

O que é que o Marrocos tem?

Padrão

Post muito legal sobre o Marrocos!!!! Cheguei conhecer somente Casablanca, mas já foi suficiente para ficar com vontade de conhecer todo o resto. É mta cor, mta gente, e tudo mto diferente do que a gente está acostumado. Paisagens que superam expectativas, com certeza!

Grandes Destinos - Viagens & Turismo

Banhado pelo Oceano Atlântico e pelo Mar Mediterrâneo, esse país no noroeste da África tem tantas cores e sabores para oferecer que é difícil escolher só uma cidade para ir, só um destino para ficar nesse país inteiro. O idioma é o francês e o árabe. Sim, você encontrará placas nas ruas bem diferentes. Praias e mais praias, para poder contrastar com um sétimo do país a 2.000m acima do nível do mar.

Com um ferry boat você chega rapidinho no sul da Espanha e pode ver as famosas “poeiras em alto mar” ao atravessar o Estreito de Gilbraltar, sim isso acontece ali… poeira vinda diretamente do Deserto do Saara, que é logo ali. As cidades mais visitadas são Rabat (que é a capital do país), Marakesh, Tanger, Casablanca, Fez, Essaouira dentre outras. Você pode curtir essas cidades desde o jeito mais simples e econômico até do modo mais luxuoso…

Ver o post original 305 mais palavras

Você, sua saúde e a vida a bordo

Padrão

Bom, depois de alguns tantos meses afastada por motivos de saúde, acho que já posso escrever um pouco sobre isso. Há 10 meses desembarquei por medical off. Passei mal a bordo (mal pra caralho mesmo) e como a médica a bordo não conseguiu me ajudar muito, depois de 3 dias fui para um hospital em terra onde detectou que eu tinha um tumor gigante no tórax. E foi assim que começou o furacão em minha vida. Fui despachada pra casa como um saco de arroz com lepra. Me pagaram as passagens, o hotel… porém.. honestamente.. acho que eu não poderia ter viajado sozinha.. pois eu realmente estava muito mal. Não me deram indicação nenhuma do que fazer, como proceder, quem procurar, nem nada… no melhor estilo “foda-se”. Depois de dois dias, cheguei em minha casa, que por sorte é na mesma cidade onde fica o aeroporto e eu tinha alguém pra me buscar e ainda de carro, pois mal conseguia pegar minha mochila, no caso Curitiba. Cheguei em casa por volta da meia noite, então no dia seguinte já fui procurar orientação médica no posto de saúde. Assim. Você precisa, depois que chegar em casa, avisar a agência recrutadora que você desembarcou por medical off e a companhia também.. o que me parece meio absurdo, pois eles deveriam ser os primeiros a saber disso. A companhia promete te ajudar, mas observe bem o que é essa ajuda. Eles te dão um auxilio financeiro por 120 dias. Cada mês eles depositam um valor na sua conta. Se você ficar doente por mais de 120 dias, bom.. foda-se..porque eles não te ajudam em mais nada.

Depósito em conta:

Eles talvez te peçam uma conta e alguns códigos…o IBAN e o SWIFT, são siglas.. você pode verificar melhor elas no site do Banco Central, essas siglas são referente a dois códigos e você as consegue no seu banco, é só ir na sua agência, falar com o seu gerente (tem que ser o gerente da conta, os outros não saberão do que se trata), pedir seus códigos, geralmente tem que explicar do que se trata porque como não é uma transação do dia a dia no banco, eles geralmente nem sabem do que se trata. O gerente vai te imprimir um papel com esses códigos e ok, a companhia já poderá enviar dindin na sua conta aqui no Brasil. O que não quer dizer que eles vão mesmo fazer isso. Você tem que passar relatórios mensais de sua saúde e ficar no pé pra eles te enviarem a grana, no meu caso foi cada mês um valor diferente e eles nunca conseguiram explicar o porque disso.

Vai receber quanto???

Isso é muito importante. Veja no seu contrato como está o seu salário. Eles te pagam o valor do seu salário base, que é bem diferente do salário que você recebia lá embarcado. E você costuma descobrir isso sempre tarde demais…Por exemplo? Na entrevista me falaram que o salário eram US 1.024,00. Mentira, meu salário base não era nem 400 dólares…que merda né?

Mas e se você ficar em tratamento por mais de 120 dias? Afinal, a gente não escolhe esse tipo de coisa.

Bom, então… se vira. A companhia não te ajuda mais. E é nesse ponto que quero chegar. Quando vocês forem embarcar se atentem que vocês não são o superman. A qualquer momento tudo pode mudar. Você pode ficar doente a qualquer momento e não dá pra deixar na mão dos outros a responsabilidade pela nossa saúde. Quando você trabalha a bordo você não está num emprego registrado, você não tem direito a INSS, auxílio doença e tudo o mais. Você está ferrado mesmo. Por que você estará sem emprego, sem condições de trabalhar.. e sem grana, pois não tem emprego e nem condições de trabalhar. Porém existem sempre alternativas. Hoje recomendo aos meus amigos que paguem o INSS, como autônomo mesmo, só ir lá no escritório do INSS da sua cidade e pedir a guia pra pagar e deixar pago já por alguns meses. Assim, se algo passar você não fica na mão. Em alguns casos, como o caso de câncer, por exemplo, o governo tem um programa chamado LOAS, que precisa passar por uma entrevista, levar um monte de documentos e eles vão avaliar se você pode ou não receber algum auxílio doença (tipo quase impossível conseguir esse benefício). Deem uma pesquisada no site da previdência social. Outra coisa é, registrem tudo, cópias de tudo, gravem tudo, anotem tudo, pois você um dia vai precisar dessas informações. Não fiquem achando que a companhia de cruzeiro te ama e vai fazer tudo para você ficar bem, a gente ama pessoas, não coisas. Eles querem lucro e ponto final. Não estão nem ai se você tem 1, 3 ou 10 contratos. Não dá lucro? Dane-se. É assim que é, sem choro nem vela, sem romance, sem blablabla. Não se iluda mesmo. Trabalhar a bordo é legal, você conhece muitos lugares, muita gente, ganha uma graninha bacana, mas você não passa de um número que gera lucro e nada a mais. Deixou de dar lucro, vira lixo. Entendam isso. O jeitão de como cada companhia procede com seus tripulantes quando dá problema com a saúde pode muda, mas a regra é a mesma, se adiante e agilize sua vida, pois só você pode se preocupar com ela… os outros? Bom… os outros já tem as suas próprias pra cuidar. E sim, você não é de aço… uma dia você está bem e no outro já não está mais. Assim foi comigo, aliás, ainda é.. pois depois de 10 meses ainda continuo em tratamento médico, porque por fim eu estava com câncer…viu só como a vida muda do dia pra noite! Pois é, ainda dei sorte porque moro numa cidade onde o SUS funciona muito bem e fui e estou sendo muito bem atendida… porque se dependesse de de algum auxílio proveniente da empresa para me atender… já teria morrido com certeza… pois eles me avisaram que só pagavam a cirurgia, mas a gente sabe que antes de operar, se é que precisa de cirurgia, tem muito mais coisas.. exames.. tratamentos… Enfim, o que queria dizer de fato é: pensem em todos os aspectos antes de embarcar, pode acontecer de tudo a bordo, esteja preparado, sua saúde é primordial, pense muito nela… pois um dia você está ótimo, no outro não se sabe.

LOAS

http://www.oncoguia.org.br/conteudo/loas/111/4/

Pagamento de INSS

http://agencia.previdencia.gov.br/e-aps/servico/338

Código SWIFT e IBAN

http://www.bcb.gov.br/?iban

Ano Novo?

Padrão

Está começando um novo ano. Na verdade, na prática mesmo, é só um dia depois do outro. O que caracteriza um ano novo são atitudes novas. Queremos um ano novo cheio de realizações, mas o que estamos fazendo para que essas realizações aconteçam de verdade, só o sol se por e a lua aparecer não fará nada para que isso aconteça sem vc se mexer um pouquinho. Você deseja coisas novas, mas o que de realmente novo vc está fazendo? E quando as coisas novas chegam, o que vc faz com ela? Me parece loucura fazer sempre as mesmas coisas, fazer sempre as mesmas escolhas e esperar um resultado diferente. Receber o novo requer deixar de lado o velho. Velhos pensamentos, velhas ideias e ideais. Velhos paradigmas, velhas atitudes, velhos comportamentos. Esquecer as escolhas de sempre, os livros de sempre, as doutrinas de sempre, a rotina de sempre. Vida nova requer novos olhares, novos sabores, novos caminhos, novas perspectivas, novas encrencas (porque não?), novos horizontes. Todo dia pode ser dia de reveillon, basta querermos!

Ano Novo

Como me sinto quando….. owwww vida de crew!

Padrão

Copiado na cara dura do blog Histórias de Tripulantes (http://historiasdecrew.blogspot.com.br) porque achei o máximo! Morri de rir e acho que vale compartilhar aqui com todo mundo também, assim morremos de rir todos. Sendo assim, se for pra felicidade geral da nação, nem fico com vergonha de copiar a ideia dos outros, só dei uma adaptada para a vida de camareira em algumas, até porque ainda nem sei fazer gifs!!

Parabéns ai pra galera do Histórias pra Tripulantes, que sempre postam coisas bem legais!!!

A “coisa” copiada foi o seguinte, sabe aquela história de “sabe como eu me sinto quando…”? Então, o pessoal fez esses gifs muito engraçados sobre a vida a bordo, a rotina de um tripulante!!

Então confiram!!

…estou dormindo e toca o sinal do drill!!

to dormindo e toca o sinal de drill

….quando tem meeting com todo o departamento!

sou obrigado a assistir os trainings do departamento

…passageira pede absorvente para a camareira!

o passageiro quer atendimento mas não fala inglês português nem espanhol

….descobre que tem que ficar de stand by justamente num porto legal!

o passageiro é um pé no saco

…chego da crew party tentando não fazer barulho..

tentando não fazer barulho

…quando o passageiro pede para montar um berço, ou uma cama extra, ou trocar o lençol, ou tudo junto… logo depois de embarcar..

o médico vai de break

….tem festa na cabine…

festa na cabine

….encontro uma máquina na laundry desocupada e funcionando!!!!

encontrei uma maquina que presta e está livre na laundry

….consigo uma baita de uma máfia e não conto pra ninguém!

consegui uma mafia e não vou dividir com ninguem

…visto uma roupa que não é o uniforme!

coloco uma roupa normal

….chego no crewmess e vejo o que tem pra comer…

chego no crew mess

….toca o sinal de aband ship!

abandon ship

….esqueço de pegar a chave da cabine!

passageiro pelado

….quando tem grupos de jovens a bordo…

o médico começa de conversinha paralela com a enfermeira

….o supervisor vem falar alguma reclamação do passageiro!

chega alguém morrendo e passa a frente

Nos Bastidores #11 – Seja Ridículo

Padrão

As vezes a gente precisa deixar livre nosso lado ridículo… curtir, se soltar um pouco e rir de si mesmo. Aprendi isso com uma galera muito legal em Curitiba ainda, bem antes de embarcar ou se quer pensar em navio de cruzeiros. Ai um belo dia teve um show de talentos… e lá vem aquele bichinho no pé de ouvido dizendo “se joga, vai ser divertido”, junto com um pouco de vinho e não teve jeito, me inscrevi na apresentação e ai surgiram os problemas “vou apresentar oque?”. Dois dias para pensar e roteiro finalmente pronto dentro da cabeça apenas duas horas antes da apresentação, afinal no curso lá atrás também aprendi um tanto de improviso e vida a bordo é puro improviso também. Mas na hora H, como evitar o nervosismo? Muito nervosismo e muita vibração, o teatro do navio cheinho e claro, eu esqueci absolutamente tudo que ia fazer… que legal! Mas a gente sabe improvisar não é mesmo!? Então assim consegui terminar a apresentação e foi incrível, a galera curtiu e me surpreendi com a platéia inteira rindo.

Enfim, foi uma experiência fantástica, o nariz vermelho estava ali na minha mão, as aulas de teatro e improviso ainda estavam na minha cabeça… Acabei apresentando isso por 3 meses no navio… e posso falar, foi demais. Mas é preciso ousar. Por isso, ouse e leve a vida leve, confie em si, no que você leva dentro de si e tudo vai dar certo! E mais, ria de si mesmo, é o melhor que se tem a fazer.

Vida a Bordo: Prós e Contras

Padrão

Trabalhar em navio de cruzeiros tem muitos prós e contras… depende do que você já fazia em terra e quais são seus objetivos a bordo. É muito pessoal porque cada um tem uma história de vida diferente, princípios diferentes, modo de agir diferentes, objetivos diferentes. Listo aqui alguns pontos que pude observar nessa vida de barco:

 

contras:chorando

– o trabalho é pesado, mais pesado do que qualquer trabalho pesado que você já fez. O que dificulta muito é que você não tem descanso como em terra, por exemplo um dia da semana inteirinho pra você;

– você dorme e acorda no trabalho, teu chefe pode ir te tirar da cama…literalmente, parece que não… mas pesa, tem que ter mta paciência..

– comida é boa, mas não para todos os gostos, se é que você me entende, a gente sempre acaba gastando uma grana com comida em terra;

– o mundo aqui fora continua acontecendo, não para porque você vai ficar 8 meses fora… se você tem um namorado em terra, acredite.. é melhor terminar pra não perder a amizade e um possível retorno se um dia você voltar a morar na mesma cidade;

– humilhação acontece sim, e você tem que aprender até onde dá pra engolir e onde tem que responder, e mesmo assim saber responder, pra sua vida não virar um inferno.. quem reclama tem represalha sim;

– tem que prestar atenção porque tem chefe e até colega de trabalho que gosta de perseguir… é foda se livrar desse tipo de gente, se for chefe então…reze 3 ave Maria, mesmo não sendo católico… eles começam com uma pressão que se a pessoa não estiver muito firme nos seus objetivos acaba pedindo pra sair;

– é um ambiente confinado, vc vai ver as mesmas pessoas todos dias… inclusive quem vc não quer ver;

– ambiente confinado = privacidade zero e fofoca mil

– os relacionamentos tem dia e hora pra acabar, e não adianta se iludir que vai encontrar o príncipe encantado, isso é raro, muito raro.. os amores a bordo são fascinantes e rápidos e rasteiros e as vezes.. avassalador;

– você vai conhecer o pior das pessoas… gente realmente má e que gosta de ser má…

 

Prós:relaxa

– vai conhecer também pessoas incríveis e que mudarão o curso da sua vida de alguma maneira e vão te ajudar a terminar o contrato;

– cada lugar conhecido vai encher seus olhos e seu coração de energia e alegria, seu mundo simplesmente cresce, não cabe mais no que era antes, e isso é mto bom;

– as experiências vividas a bordo, todas elas, tanto boas quanto as más, te deixará mais forte, você já não será mais a mesma pessoa.. a gente aprende a calçar o chinelinho da humildade, as vezes ele é meio apertado, mas uma hora ele tem que servir;

– se você quiser mesmo, você aprende sim um novo idioma. Faça boas parcerias, e vai aprender muita coisa;

– vai aprender inclusive a importância de grandes parcerias;

– as coisas mudam de valor… coxinha com guaraná vale mais que diamante;

– abre caminhos, profissionalmente falando. Extraia dessa experiência tudo que pode, e quando resolver voltar para terra, teu currículo será muito bem apreciado;

– se você tiver disciplina, dá pra economizar uma grana bem legal;

– vai ter casa em qualquer país que você for visitar..

 

e tem mto mais.. aliás, que mais você listaria?